terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A queda do nosso dente de leite

... ou Carta aos leitores






As pessoas que costumavam ler o blog (até parece que eram tantas assim hehehe) ficaram um mês sem acesso, e pelo comentário da Bell no último post eu percebi que devia a todos uma explicação! Se eu lêsse sempre alguma coisa e de repente ela explodisse, saísse do ar, desse pau, surtasse e depois voltase, eu ia querer uma explicação! É por isso que abro o coração que (pasmem) bate por trás do meu meia-taça pra vocês...

Muita coisa (muita mesmo) aconteceu nesse um mês que eu bloqueei o Sutiã44. A primeira delas foi a descoberta da minha identidade secreta (Sim, a Sol é a minha identidade secreta hohoho) no trabalho. Como o lugar onde trabalho é muito do coxinha, meu desepero foi total e completo, já que, por mais que meu chefe e colegas saibam que eu não sou normal, acho que eles nunca imaginaram que meu vocabulário de palavrões fosse tão vasto. Mas isso foi o menos (beeeem menos) importante.

O que realmente me tirou do ar, junto com o blog e toda a minha capacidade de falar besteiras foi a possibilidade cruel que a vida nos proporciona de perder pessoas que nós amamos, e a realidade mais cruel ainda da culpa disso ser nossa.

O primeiro passo foi admitir que eu amo meu Big, por que ele é o homem que me aceita como eu sou, tem orgulho do tamanho do meu sutiã, me compreende, ri das minhas piadas, lê o meu blog, comenta nele, deixa o filho dele aos meus cuidados, grita pro mundo que eu sou a mulher da vida dele, segurou minha mão quando eu fiz minha tatuagem, me salvou no dia do assalto, foi meu chefe e me pegou mesmo assim, fechou os olhos e se jogou nos meus braços sem medo de cair, e eu quase derrubei... Mas quem amou já sabe o que é recomeçar, e nesse recomeço ficou muito claro pra mim que eu tenho do meu lado um homem, com H maiúsculo, e que como ele mesmo diz, já pagou muito veneno nessa vida e que me ama de verdade.

Pois eu grito aqui, pras pessoas que me lêem e sabem mais de mim do que muita gente que me conhece pessoalmente: Big, eu amo você! E quero casa, cachorro, papagaio, chaminé e uma bacurinha que vai falar "google"antes de mamãe, porque você é o homem da minha vida e eu vou ter muito orgulho de ter uma pessoinha, que é um pouco de mim e de você, andando por aí com o jeitinho de nós dois!



Eu fiz uma tatuagem;

Doeu;

(sem mais comentários dobre isso)



To procurando outro emprego, mas isso é assunto pra outro post;



Além disso minha gente, Biggizinho entrou em harmonia com a minha pessoa, e a gente decidiu juntos que eu não sou madrasta dele não, porque madrasta já é coisa do passado (eu disse, fiz a premonição no post A namorada do papai). A gente decidiu que, apesar de eu ser namorada do papai mesmo, eu vou ser tia dele, porque tia é muito mais legal, e ele já me falou que o meu presente de natal pra ele pode ser surpresa (malandro, mal fui promovida a tia, já tá garantindo o dele! Adoro esse muleque), e sábado é a formatura dele no pré, onde ele vai ser o Rei na encenação da Cinderela.

Vai ser o primeiro Rei banguela de toda a história da monarquia, já que ele estava com o primeiro dente mole, e, sentado no meu colo, brincando comigo da brincadeira idiota que eu mesma inventei e batizei de "A brincadeira do dente mole", que para os leigos consiste em fazer a coreografia do bonecão do posto (mas com cara de Dente) Biggizinho repentinamente cospe um pequeno pedacinho de marfim branco, olha pra mim com cara de importante e diz: "Titia, meu dente caiu!"



Acho que eu sei exatamente como Biggizinho se sentiu naquele momento, quando o dente caiu. É uma fase de mudanças, onde as coisas que não fazem mais parte da gente naturalmente se vão, e o que fica é aquilo que vai fazer parte da sua vida pra sempre. Um dente de adulto que vai nascer na boca do Biggizinho. Uma família que está se formando, um sobrinho que a vida me deu e o homem que eu amo na minha vida.

ps: A foto que ilustra o post é da minha bacurinha com o Big! É sério! não me perguntem como, eu tenho meus meios escusos hohoho

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Manual de sobrevivência ( parte 1) - Por que mulher precisa entender de mecânica




Se você é como a grande maioria das mulheres, que diz que não precisa saber de mecânica, que é só chamar o seguro e se por acaso furar o pneu do carro, você ainda ainda corre o risco do grande amor da sua vida parar para te ajudar. E como numa cena de “Mulheres Apaixonadas II - reloaded a missão!” sair de uma grand cherokee um Gianechinni melhorado, com 50cm. de braço, tatuado, lindo, que vai trocar seu pneu , deixar seu cartão e dois meses depois te pedir em casamento... Amiga, na boa, você é uma séria candidata à arrumar um namorado com um carro ou uma moto daquelas caríssimas, só para impressionar meninas de 23, 24 anos (com um carnê de 56 prestações), e estar caindo naquele ditado, que a dona Nadir (vó do Big-que Deus à te tenha) dizia. "Por fora bela viola por dentro pão bolorento".

Olha porquê:

Estava eu, junto com Big num "rolê" na periferia de Sampa, "Olha aquele boy, olha aquela mina..... Vamos passear no parque ôôô..... Fim de semana no parque ypê.......” Quando encontramos o Tio Zé, 48 anos, motociclista e roqueiro, e seu amigo Edsãnnnn, devia ter uns 40 ou quase, metido à tiozão Sukita, usando um óculos de sol provavelmente surrupiado do sobrinho de 13 anos.

Entre abraços, beijos e aquelas conversas "joga fora" do tipo qto tempo não nos vemos e etc, e eu lá pensando, buteco estranho com gente esquisita e já calculando a rota de fuga, caso um dos bêbados descamisados resolvesse escorar em mim... Minha concentração só voltou quando falaram alguém falou em tomar uma CERVEJA!

Para minha surpresa o tal do Edsãnnnn declinou do convite pois segundo ele disse, tão delicadamente: “Tenho que pegar um "mina". Após grande insistência para tomar uma (na verdade nem insistiram tanto assim) o tiozão aceitou e veio “estacionar” a moto. (Para as leigas, o ato de estacionar uma moto consiste simplesmente em baixar o pézinho de apoio da mesma. Sim. Só isso. Muito melhor que baliza, né não?).
Copos em punho, 32 graus à sombra, eu sinto um ar de indignação e hostilidade quando Big diz para o Edsãnnnn: “Cara se você passar em cima de um papel escrito prego vai furar o pneu da sua moto”.

E a gozação continuou, e eu muito da por fora no assunto pneumático, analisando o pneu da moto a fim de entender o motivo das gargalhadas, rapidamente diagnostiquei (malandra que sou): é um pneu, é preto, redondo e de borracha, e não está murcho nem furado. O que afinal de contas tem de errado cacete????

Então o Big disse sábiamente para o tiozão da Sukita que ele não poderia nem andar com a tal motoca, quanto mais buscar uma moçoila para por na garupa, já que o pneu tava mostrando até o “arame”. Quando percebi que o pneu daquela moto do power rangers vermelho estava tão gasto que estava mostrando o arame (isso mesmo caras leiotras, os pneus têm uma estrutura de arame internamente para sustentar a borracha e que, de acordo com o código de transito brasileiro, “deve ser substituído quando seus sulcos atingirem a profundidade de 1,6 milímetros, indicadas pela sigla T.W.I. (Tread Wear Indicator)! Rá! Tô manjando né! Que nada, foi o Big que me ensinou isso, vejam só, namorado também é cultura).

O power rangers aposentado esboçou aquele sorriso amarelo, só com o cantinho da boca e disse que ia trocar a PORRA do pneu esta semana , ou seja, to sem grana, mas mesmo assim querendo colocar a vida de uma pobre presa (leia-se, mocóila de 24 anos) em risco!

Fiquei imaginando quantas vezes nesta vida não me atentei para estes detalhes, digo, critérios mecânicos científicamente relevantes que podem ser avaliados antes de aceitar sair com um cara.

Vou preparar um check list para todas as mulheres avaliarem a segurança dos meios de transporte antes de aceitar um convite.Vou lançar a campanha: “Você já checou o óleo do seu peguete hoje?”

Ps: Começo a entender o porquê do “seu Dodô” (vulgo, pai da Sol!) vir com aquela desculpinha de querer dirigir o carro do Big.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Para mamãe e papai

... da filha que nós vamos ter




Quando minha mãe viu meu pai pela primeira vez ele estava de terno, com a gravata enfiada no bolso e os cabelos molhados. Eles se cumprimentaram com um aperto de mão meio sem jeito, se olharam por alguns segundos como se o mundo todo tivesse parado num suspiro, e depois disso não teve mais volta.

Eles ainda não sabem , mais daqui há um tempo eu vou nascer, e vou ter olhos tão grandes e vivos que meu pai vai inventar um apelido pra mim na primeira vez que me pegar no colo. E vai me chamar assim pelo resto da vida, até quando for me buscar na festa do pijama na casa da Bianca, na frente da 5ª. Série A inteira, quando eu vou ficar dois dias sem falar com ele.

Minha mãe vai cantar muito pra mim, e mesmo desafinada meu pai vai achar que ela tem a voz mais linda do mundo. Uma das primeiras frases que eu vou dizer é: “Mamãe, não canta mais!”. E ela vai rir muito e contar essa história pra todo mundo.

Com 11 meses eu vou andar, numa empreitada de força e coragem pra tentar pegar o escorpião no braço do meu pai, só pra ver se é de verdade. E vou chorar quando ele me explicar que é só um desenho. Essa história não vai sair da minha cabeça até os meus 3 anos e meio, quando vou pegar as canetas da minha mãe e desenhar no meu corpo inteiro. Meu tio vai tirar uma foto minha nesse estado e guardar a lembrança da criança mais tatuada de canetinha da história da humanidade.
Nesse mesmo dia, vou tomar um banho de bucha de 40 minutos, pra aprender que tatuagem mesmo só depois dos 18 anos.

Vou esquecer a lancheira na escola no meu primeiro dia de aula, a jaqueta no primeiro dia de faculdade e o celular no primeiro dia de trabalho. E o meu pai vai repetir todas as vezes: “Você é igualzinha a sua mãe!”

Meu irmão vai me ensinar a gostar de rock, a decorar a letra das músicas mais legais em inglês (mesmo eu mal sabendo falar português), a jogar as pererecas-estrelinha no lago do condomínio da vovó e vai ler comigo os gibis da Mônica, eu vou começar a chamar minha mãe de tia por causa dele, pra desgosto da minha mãe e diversão do meu pai.

Vou ganhar um cachorro quando tiver 6 anos, que vou chamar de “Contente”, e ele vai nadar comigo na pscina da chácara no interior. Eu vou quebrar um braço quando pular da jabuticabeira da minha vó achando que vou sair andando igual o Contente, e vou ver o olho do meu pai se encher de lágrima quando me levar pro hospital.

Vou me perder na praia dezenas de vezes. E o vendedor de milho vai me achar e me devolver pra minha mãe, que vai ficar uns 15 minutos me dando bronca, enquanto eu só consigo olhar pras sardas no nariz dela... Vou chegar em casa, olhar no espelho, vou ver que são iguais às minhas e vou me achar linda.

Passarei 16 anos da minha vida achando que o meu pai é o melhor homem do mundo. Depois dos 16 eu vou ter certeza.

As minhas amigas vão achar que os meus pais são o casal mais legal do mundo, o que vai me dar muito orgulho, mas não vai me impedir de brigar com os dois pra eles pararem de fumar.

O meu primeiro bikini vai ser vermelho, eu vou adorar fazer bolas de chiclete, e não vou gostar de tomar café da manhã.

Quando eu fizer 2 anos, minha vó vai me dar de presente um kit de bolinha de sabão e eu vou gostar desse presente mais do que de todos os outros pra desgosto geral do resto da família.

Eu vou chorar toda vez que meus pais cantarem pra mim: “Mamãe vai te dar um irmão zinho...” Até ver minha mãe grávida e meu pai conversando com a barriga dela e achar aquilo a coisa mais linda do mundo.

Vou me apaixonar várias vezes, vou sofrer também, vou encher a cara pela primeira vez aos 14 anos e minha mãe vai rir de mim por duas semanas a fio, eu vou fazer xixi de pé até os 7 anos e isso vai virar lenda entre as crianças do bairro.

Meus olhos vão ser cor de mel, eu vou odiar o meu cabelo até o dia em que o meu pai me ensinar a passar leave-in e obrigar minha mãe a parar de penteá-lo. A primeira palavra que eu vou falar é “papai” e a segunda é “google”, e minha mãe vai ficar triste por isso, mas só por cinco minutos porque meu pai sempre consegue fazer ela rir.

Big, além de sempre conseguir me fazer rir, e do recorde de tempo que eu consegui ficar realmente chateada com você não bater 13 minutos, você me dá segurança pra admitir que eu quero ser mãe, de um filho seu, que eu te amo e gosto de cuidar de você, que eu gosto de cuidar da casa junto com você... Eu passei 23 anos achando que existia alguém pra mim nesse mundo, depois que eu te encontrei eu tenho certeza!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

A Namorada do papai




Namorar não é fácil. Isso é ponto pacífico, e pra quem ainda não conseguiu se conformar com a complexidade do assunto eu indico os meus terapeutas de plantão lá no Divã Rosa Choque, sempre prontos a sanar dúvidas estúpidas de pessoas idiotas como eu.
Partindo dessa premissa, de que o negócio é um angu de caroço, podem existir outros fatores que complicam ainda mais o já complexo relacionamento amoroso. Se você não tem 13 anos (nem seu namorado) muito provavelmente existirão ex-namoradas. De uma escala de 0 a 10 esse probleminha vale 1,5. Se você e seu namorado tem até 20 anos, pais ciumentos e mães possessivas são outro embaraço. Grau 5 na escala de complicação.
Agora se você e/ou seu namorado tem entre 25 e 30 anos e um de vocês já foi “juntado”e tem um filho, o problema passa pro grau máximo (10). Pois, além da ex-quase-esposa-de-fato-mas-não-no-papel, tem o filho, que infelizmente (pra você) não nasceu de chocadeira. A mãe-ex quase esposa-hoje-dependente-de-pensão já foi objeto de pesquisas seríssimas na rede Globo de televisão, e lidar com elas é coisa que o Manoel Carlos ensina no estilo cartilha! Manda a ex-quase-esposa-de-fato-mas-não-no-papel pra uma Associação de Mulheres Loucas e Afetadas (AMULA) lá no Projac e seja feliz com seu namoradão.

Mas o pimpolho não... Esse assunto é tão delicado quanto o beijo gay, e por isso nem a Grobo conseguiu fazer nenhuma novela sobre tal assunto. Por isso, eu, namoradona de um Papai que sou, bolei um experimento naipe regressão (que certamente será criticado pelos meus amigos do Divã). Me imaginei no lugar de Biggzinho, o filho do Big de seis anos, e descrevi o que eu acho da Namorada do Papai...(vulgo, eu, esta que vos fala, SOL)

A Namorada do Papai na visão de Biggzinho!

Eu, Biggizinho, tenho 6 anos,e assim como a maioria de vocês, cresci (isso porque eu já sou grande pra cacete hoje) ouvindo histórias horríveis sobre madrastas. Elas sempre foram perigosíssimas, davam alimentos envenenados às pobres enteadas, faziam com que elas enfiassem os dedos desavisados em brinquedos ponteagudos e obrigavam as moças a usar trajes mega bregas enquanto faxinavam a casa. Sim, as madrastas sempre foram o pesadelo da ANVISA, do INMETRO e da Glórinha Kalil, juntos, de mãos dadas.
Com tanta perversidade e falta de noção de moda assim, eu sempre as odiei muito. E um dos piores pesadelos da minha vida era que meu pai um belo dia aparecesse com uma sirigaita na minha casa, que logo ofereceria algum alimento suspeito para o meu pronto consumo.
Madrastas eram as piores vilãs no imaginário de uma criança. Elas podiam até parecer bonitas, mas na verdade era tudo feitiçaria, macumba da braba, quando o feitiço acabava aparecia até uma pereba na ponta do nariz, naipe a bruxa do Chapolin.

Mas os tempos são outros, euzinho mesmo já nasci depois de 2001, sabendo que nenhum obelisco seria encontrado e mudaria a história da humanidade, fazendo com que Kubrick se conformasse que a única coisa legal do filme foi a música e o maior lapso temporal da história do cinema. Madrasta agora é coisa do passado! A pior Vaca que pode aparecer na vida de uma criança hoje tem outro nome, na verdade é um nome composto. Ela é a namorada do papai.
A Namorada do Papai só gosta do papai e seu plano maligno é ter com ele outros filhos, que eu vou odiar pro resto da vida e que roubarão a minha atenção, meu quarto, meus brinquedos, minha herança e MEU PAI-HERÓI.
A namorada do papai tem táticas muito mais elaboradas que a velha e ultrapassada maçã zoada. Geralmente ela é muito legal com os meus amiguinhos, que ocasionalmente acabam me perguntando se aquela não é a minha mãe, e quando eu respondo que não (claro que não, a minha mãe é muito mais bonita) rola um “Ahhhhhhh...”de lamentação geral.

Ela é muito legal com o meu pai também, e na minha frente finge que é só amiga dele, mas eu já vi eles beijando na boca, de cantinho de olho. O Papai parece que fica bobão perto dela, e leva ela nos aniversários dos meus amiguinhos ao invés de levar a minha mãe. Nessas festinhas todo mundo conversa com ela na maior cara de pau, e parece até que gostam daquela chata feia e boba!

Esses amigos do papai são todos tolinhos! E no fundo só a mamãe me entende, fala mal da namorada do papai pra mim, se recusa a freqüentar os mesmos lugares que ela e acredita na minha teoria de que ela dopa meu pai todas as sextas feiras pra ele passar o fim de semana na compania daquela bruxa. Um dia todos eles irão se arrepender de ter me deixado nas mãos deste projeto de Ana Carolina Jatobá!
Eu espero que um dia desses ela tropece do salto, desequilibre com o peso do peito e caia de cara no chão só pra eu chegar em casa e imitar tudo em câmera lenta pra minha mãe ver, ela vai adorar... (risada maligna)
Tudo bem vai, antes eu quero jogar mais umas 5 partidas de Play Station 2 com ela, porque as vezes, quando ela finge que gosta de mim e tenta me agradar, eu aproveito finjo que acredito e até acho legal. Só que pra minha mãe eu só conto a parte em que ela se machuca! Hehehehehehe

Pronto! Cacete viu! Que idéia brilhante me colocar (com a minha mente maligna) no lugar do Biggzinho! Agora só ando de havaianas perto dele... Pestinha! Humpf.
Ps: E Play Station 2 também só jogo o Mario Bros, porque nos jogo de monstro eu sempre perdia pra ele!

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Quem Decide quando quer ser otária?


É extremamente difícil pra uma qualquer pessoa do sexo feminino perceber a linha tênue que separa a mulher comum da otária. Na maioria das vezes a gente não sabe qual vai ser a nossa reação, ser otária quase nunca é uma escolha, é na verdade um fardo a carregar. Essa é uma grandessíssima injustiça! A gente tinha que ter o direito de decidir! Lutemos pela liberdade! Façamos um “Voce Decide quando quer ser otária”! Vou começar o movimento aqui pelo Blog com situações total e completamente hipotéticas, apresentaremos a reação da(s) otária (s), e em contra partida, outra opção pro final da história, apresentada, é claro, por Antônio Fagundes careca em 1992.

* Os nomes dos personagens foram trocados, qualquer semelhança com histórias reais é mera coincidência e a autora não se responsabiliza pela divulgação dessas situações.

Situação hipotética 1

Era uma vez Little Big, há muito tempo atrás ele deu uns pegas em VacaPri (otária “a”). VacaPri gostou do trato e começou a achar que era a Ms. Little Big oficial. Little Big, malandro que só, não desmentiu nem confirmou e deixou VacaPri em stand by. Eis que nesse meio tempo surge Solange (otária “b”), que se torna de fato a Ms. Little Big, conseqüentemente lançando por terra os planos de VacaPri de casar, constituir família e fazer mais 5 plásticas antes os 40. Sem se dar por vencida, VacaPri liga 12 vezes no celular de Little Big, numa madrugada de sábado a noite.

Final 1

Reação da otária “a”: Diz que sentou doze vezes sem querer sobre o celular desbloqueado durante uma madrugada de sábado a noite, pressionando em todas elas a tecla de ‘redial”. Logo após o ocorrido faz uma lipo na barriga e viaja para a Europa pra mostrar pra Little Big como é bem resolvida. No avião se entope de Nutela com amendoim, passa a viagem inteira ouvindo Laura Pausini e com vergonha de sair do hotel devido a uma espinha que mais parece uma anomalia genética que ocasiona o crescimento de um segundo nariz sobre o nariz original.

Reação da otária “b”: Como toda boa otária, acredita que VacaPri realmente estava fazendo agachamentos com o celular no bolso em uma madrugada de sábado a noite, e na série de 12 repetições do exercício sentou 12 vezes sobre o celular. Além disso, acredita que o fato de Little Big ligar pra VacaPri desejando boa viagem quer dizer que a plástica de Vaca realmente ficou boa, e começa a contar o dinheiro da poupança pra ver se dá pra fazer uma (e aproveitar pra tirar um pouco dos peitos também).

Final 2

Se VacaPri não tivesse atravessado a linha tênue...

Ela perceberia que perdeu a vez, e que se ligou mais de 3 vezes no celular de alguém e essa pessoa não atendeu é porque realmente não queria falar com ela, não importa o quão bêbada e looser ela estivesse, e que a desculpa de ter sentado no aparelho é mto deprimente. Eu por exemplo reponderia de pronto: Isso sempre acontece comigo! Vc acredita? Outro dia a minha chefe me perguntou se eu tinha ligado pra ela 58 vezes no domingo a tarde!!! E meu primo!!! Foram 36! Certamente meu celular está possuído por um espírito maligno. Oxalá Paiê Ogum, ê, ê!!!! (fazendo movimentos característicos do desencapetamento no candomblé)
Ela faria sim a porra da lipo, mas não contaria pra ninguém, iria pra Europa e conheceria um gringo, casaria, viraria madame e nunca mais pensaria em Little Big.

Se Solange não tivesse atravessado a Linha Tênue...

Ela ficaria realmente com pena de VacaPri, uma pessoa que tem mais de 30 anos e é tão otária a ponto de ligar 12 vezes no celular de um cara que não atendeu nenhuma e tem namorada é digna de terapia. A loucura é tanta que até na faca a pobre otária entrou! O fato de Little Big ter desejado a VacaPri uma boa viagem quer dizer apenas isso, literalmente, vá com deus! (mas mesmo assim pensaria na hipótese remota, de um dia, quem sabe, na hora do desespero da pelanca, também fazer uma lipo).

Pronto, agora, Você Decide quando quer ser otária! Se você acha que otária “a”deve dar a desculpa da bundada no celular e que otária “b”deve acreditar ligue 0800 -11 4442, mas se vc acha que otária “a”deve dizer que seu celular foi possuído por um espírito maligno, e que otária “b” deve achar que ela é louca ligue 0800 – 11 4443.

Mas minha gente, uma coisa eu tenho que admitir, seja qual for o final escolhido, quando qualquer mulher está apaixonada ela vira, automáticamente uma otária em potencial, e parafraseando o poeta fodidão, toda mulher apaixonada é uma otária, se não fosse otária não seria uma mulher apaixonada...

Ass: Otária da Vez

Ps: Mas não vão achando que eu acreditei na desculpa do agachamento no celular né!!! Pra cima de moi???

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Madá, DJ Gésus e o fato histórico que amaldiçou minha vida para todo o sempre Amém!

Israel, cidade santa, ano 33 d.c.


*

Lá estava eu, Sol, em minha primeira encarnação nesta terra.
Tinha lá meus 24 anos e tentava sobreviver dignamente como bailarina em eventos para os oficiais romanos. Um trabalho deveras desgastante (oficiais romanos não se contentam com perfomances pouco desenvolvidas, eles querem coreografias elaboradas com muita arte!)
Eu vivia momentos de tensão, pois as balilarinas egípicias estavam apelando no rebolado do pancep’s na dança do ventre.
Eu tinha que inovar, criar um novo conceito em bailado para o entretenimento militar, eu tinha que segurar a platéia até o fim!

Opa, pérai Segura! Amarra! Segura e Tchãnnn, amarra e tchãnnn, segura e tchãnn, tchãann, tchãnnn, tchãann, tchãannnn (jogando frenéticamente o cabelinho sarará de um lado pro outro)! É isso! Eureka! Meus problemas acabaram! Saí serelepe comemorando meu novo pulo-do-gato coreografico e já imaginando uma mini-burka decotada, azul de bolinhas pretas e meu novo penteado a base de água e neutrox para combinar com a coreografia!

Minha euforia era tanta que eu precisava descontar a ansiedade até encontrar a primeira balada de soldados romanos para mostrar-lhes minha mais nova invenção, ficar milionária e ir pra balada tomar vinho com energético com a minha brother, Maria Madalena, para os íntimos Madá.
Procurei algo para apertar, chutar, pular em cima pra aliviar a euforia, e só achei um favo-de-mel! Meti na boca e saí mastigando em busca de um inferninho pelas ruas da Terra santa. Tinha inventado o Segura o tchãn e o chiclete na mesma tarde! Eu era um gênio.

Foi então que avistei, lá, ao longe, a maior rave de todos os tempos! Vários soldados romanos usando um penteado que viria a ser conhecido como moicano dai uns 2000 anos, todo mundo já muito louco, suando e gritando, três DJs fazendo uma performance maluca em cima de cruzes de madeira...
Pensei com meus botões: Essa é a oportunidade de entrar para a história! Não tive dúvida, subi até a cabine dos DJ’s, cuspi o chiclete e colei na cruz pra não atrapalhar minha concentração e executei: Segura o Tchãnnn, amarra o tchãnnn, segura o tchãnn, tchãann, tchãnnn, tchãann, tchãannn! A Madá gostou tanto que tirou o véu e rodopiou sobre a cabeça no maior estilo “Tira a camisá! Tira a camisá! Tira a camisá! Levanta pro alto e começa a rodar!”(coreografia que também veio a se tornar um rit do verão do ano 36 d.c. entre os Celtas e Anglo-saxônicos).

E assim se explica o calvário dessa que vos fala! EU COLEI CHICLETE NA CRUZ E DANCEI O TCHÃN USANDO TRAJES MÍNIMOS DE BOLINHAS PRETAS DE FRONTE A GÉSUS, O CARA, OU MELHOR, O FILHO DO CARA!

Essa é a única explicação lógica pra ter caído uma gaveta no meu dedão as 6 e 30 da madrugada e eu ainda ter que ir trabalhar de scarpan!

Notas:
No fundo eu sempre soube que a Madá me levaria pro mal caminho! Féla da Puta! Ela fica pelada na balada e quem se fode sou eu !!!

Esse tal de DJ Gésus tava pegando ela há tempos, tenho certeza....

Madá, na foto que ilustra o post, ela ficou famoséeerrima e eu levo gavetada no dedão. Esse mundo cristão é mto injusto merrmo...

A história da Rave na terra santa pode ser confirmada pelo DVD do Terça Insana. Sutiã 44 recomenda
.

domingo, 14 de setembro de 2008

A minha propaganda da Master Card

Manja aquela promoção da Mater-Card que você manda a sua própria historinha da clássica propaganda "não tem preço"? Pois então, segue a minha:







Passar o final de semana jogando videogame com o filho do BIG;
Play Station 2 R$ 389,00 no crédito do Big.

Custo psicológico- Admitir que eu realmente não tenho o mínimo instinto materno.

Se alimentar basicamente de sucrilhos e yakult durante dois dias;
Sucrilhos R$ 4,00 e Yakult R$ 2,50 no débito do Big.

Custo psicológico - Perceber que depois desse fim de semana vou realmente ter que voltar pra academia.

Dormir no sofá;
Sofá retrátil R$1.500,00 no crédito do Big.

Custo Psicológico - Dormir no sofá!!!

Com o sol na cara;
Cortina inexistente R$ 260,00 no crédito

Custo psicológico - Com o sol na cara!!!

De calça Jeans;
Calça da TNG R$ 109,99 no débito da Sol.

Custo psicológico - (putaqueopariucaralhoporracacetebuceta) DE CALÇA JEANS!!!!

Receber uma visita surpresa do Sr. e da Sra Big-pais, exatamente no dia em que meu cabelo parece pertencer 'a qualquer documentário sobre samabaias da mata-atlântica, menos à minha cabeça;
Progressiva inexistente R$ 250,00 no débito.

Custo psicológico - Perder parte da minha dignidade, mais especificamente aquela que estava atrelada à auto-confiança estética do meu ser.

Perceber que a Sra. Mr Big gostaria muuuito de fazer uma tortura chinesa com a minha pessoa para saber a procedência da fedelha-cabelo-de-samabaia que jazia no sofá de seu próprio filho (pior, com o controle remoto do neto dela na mão ...);
Algemas R$ 27,60 e Bambus para ser enfiados embaixo as unhas R$ 10,00 a unidade no débito da Sra. Big.

Custo psicológico - Perder o resto da minha dignidade.

Ser deixada por alguns minutos sozinha de posse do computador do Big;
Llap top R$ 2.620,00 no crédito do Big.

Custo psicológico - Sentir a depressão do domingo a tarde, sozinha, na casa alheia.

Procurar algo de interessante (tipo aquelas apresentações de auto ajuda no power point, ou mesmo um vídeo de sacanagem)
Pacote Office R$ 171,00 no débito do Big.

Custo psicológico - Admitir que eu sou Zé-povinho e gosto dessas correntes de power point com a música do Ghost de fundo, até me rolam lágrimas sem querer...

Encontrar fotos da Ex (muitas)
Terapia R$ 320,00 ao mês no débito da Sol.

Custo psicológico - Se sentir tão mulherzinha quanto todas as mulherzinhas que eu sempre detestei.

Encontrar fotos dele beijando a Ex
Nove milímetros U$ 400,00 no débito da Sol.

Custo psicológico - Se sentir uma mulherzinha que precisa de porte de arma!!!

Encontrar fotos das rugas da EX
Botox - R$ 1.200,00 no crédito da VACA.
Prazer inenarrável - Finda a depressão de domingo, começa a busca incessante por defeitos da ex.

Encontrar fotos onde se vê nítidamente a pança da Ex
Lipoaspiração - R$ 3.000,00 no crédito da VACA.
Prazer inenarrável - Retomar a dignidade estética!

Encontrar fotos na qual a ex usa uma blusinha rosa do torra-torra e uma calça jeans do bazar beneficente, descombinando com uma pulseira de miçangas pretas do camelô de paraisóplois.
Personal Stylist - R$ 350,00 cada 8 horas no débito da VACA.
Prazer inenarrável - Retomado todo o resto da dignidade!!!!

Encontrar fotos da Ex e perceber que ela não tem peitos (não se comparados aos meus!)
Silicone - R$ 2.500,00 no débito da VACA.
Prazer inenarrável - Fazer a dancinha da vitória pela primeira vez em todo o fim de semana.

Chegar à conclusão de que é por todo o listado acima que eu, a Ms. Big oficial, sou a evolução mutante, muito melhorada e econômica, de todas as ex namoradas do Big.

NÃO TEM PREÇO, PORRA!

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Meus infalíveis Planos de Fuga


Todo mundo tinha um plano de fuga na infância. E ele necessariamente envolvia uma mochila cheia de passa-tempo, todinho e pipoca doce; também envolvia pular um muro, seguir pela pracinha sem ser vista pelo vendedor de churros que conhecia a sua tia, atravessar 4 quarteirões e ir direto pra casa da sua vó, onde finalmente viveria feliz pelo resto de sua jovem vida, almoçando bala de goma e jantando sucrilhos para todo o sempre amém!

Os planos de fuga perpetuam-se durante a vida, e na adolescência envolvem também alguns fatores chaves (não necessariamente nesta mesma ordem): namoradinho cabaço, camisinha estourada, menstruação atrasada, semanas juntando o dinheiro do busão e do lanche pra comprar uma passagem só de ida pra Itapororoca na Paraíba, onde obviamente só existiriam mulheres feias, e seria fácil fazer dinheiro com um show de strep tease usando as coreografias da Madonna ensaiadas durante anos com afinco e dedicação. Isso até a barriga não ficar muito grande, quando então teria uma grana suficiente pra comprar uma casinha de pau a pique e montar um buteco, que após anos de trabalho se tornaria um resort mega lucrativo. Lucrativo o suficiente pra bancar a produção de um filme com a história da minha vida. Carolina Dieckman (com o cabelo castanho) = Eu na fase I, e Suzana Vieira (com legítimo sotaque itapororoquense) = Eu na fase II. Senhora do Destino Rules!

Por incrível que pareça, até hoje, já na fase adulta, possuo planos infalíveis de fuga, envolvendo, obviamente, alguns fatores essenciais, a saber: 2 meses de geladeira no trabalho, uma súbita mudança de área pra continuar fazendo porra nenhuma, aquisição e treinamento de utilização de uma 9mm, granadas, 3 morteiros, um golf 1.8 pra transportar tudo. Um assalto (dessa vez bem sucedido) aos cofres do Banco Central, protagonizado por mim e Big no estilo Bonie e Clyde. Com os frutos do nosso bem sucedido e cinematográfico assalto a gente ia finalmente montar nosso Quiosque na praia, vender água de côco, caipirinha e vodka falsificada pros gringo vomitar as 15h00 em plena terça feira. Iríamos ter filinhos caiçaras e continuar enchendo a cara com o lucro do quiosque (enquanto os proventos de nossa aquisição junto ao Banco Central renderiam em fundos de investimento em nome de laranjas) e tendo como maior preocupação da vida não esquecer de passar sundow no pé e nas orelha de nossos rebentos com cabelinho ruim e descorado de maresia!

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Se eu pudesse virar homem...


Sabe esses dias que a gente acorda com cólica, uma espinha gigante na testa, fica horas tentando decidir com qual roupa ir trabalhar pra aparecer menos a barriga inchada da época de TPM, sai correndo pro trabalho e tem a péssima idéia de se pesar no caminho! Aí descobre que engordou mais um quilo e meio. Entra no metrô com um coque-igreja-universal e passa 3 estações tentando camuflar a espinha, que ao chegar ao destino só ficou mais evidente… Sai andando as pressas pro trabalho, soltando o coque que deixa seu cabelo estilo Elba Ramalho na fase Maurício Mattar, vai tentando dar uma socegada na juba enquanto toda a sorte de imigrantes (nacionais e internacionais) dizem palavras de baixo calão para você, fazendo o seu dia parecer ainda menos digno. Então, quando você está quase na porta do trabalho, após muito lutar contra o friz do seu cabelo, completando a humilhação feminina, chove, estragando a escova que era a única coisa que ainda salvava o seu visual “um dia de fúria”.

Cara, confesso, nesses dias me dá uma vontade do caralho de virar homem!

E se eu fosse homem, a coisa funcionaria mais ou menos assim:

1. Eu ia ser um cara garboso!
Moreno, alto bonito e sensual. No entanto teria total e completa ética com as mulheres! Pois, já tendo sido uma, sei bem comé que é a responsabilidade. Nada de prometer que ia ligar no dia seguinte. Nada de matar a vó, a mãe ou o cachorro pra poder sair com os amigos. Ia rolar um bagulho chamado sinceridade. Vou sair pra tomar uma, e se quiser vir comigo será bem-vinda, E nunca, jamais, em hipótese alguma, mulé minha ia dar um trato no cabelo que passasse imperceptível à minha pessoa! Até selante de queratina ia merecer um elogio.

2. Eu ia encher a cara e poder mijar em qualquer lugar!
Essa parte é absolutamente fantástica. Se bem que eu nunca tive problemas em fazer xixi em locais inusitados mesmo sendo mulher. Mas como homem eu faria questão de urinar em um local por onde não circulam muitos transeuntes, principalmente do sexo feminino. Porque vamo combiná né, pinto é um negócio que pra ser bonito só com muito tesão mesmo. Então ninguém ia ser obrigado a ver o meu em uma situação de necessidade biológica extrema, como é o caso do mijão em locais não convencionais.

3. Eu ia jogar fuetebol!
Pra caralho, diga-se de passagem! Mas daqueles de várzea, com as Havaiana enfiada nos dedo, dois Raider pra sinalizar o gol, chão de terra batida e com demarcação exagonal (porque já tava todo mundo muito louco na hora que fomos desenhar o campinho). Mas eu já aviso que só jogo no time dos sem camisa! Seria a libertação de anos de sutiã com aro apertando meu externo! Futebol de várzea sem camisa é mais válido que queimar o sutiã. Eu ia amarrar a minha camiseta na cabeça, estilo Osama, ia suar pra cacete, passar a camisa na cara e no peito inteiro quando o jogo acabasse e ia vestir aquela porquice sem o minimo pudor higiênico no caminho pro buteco. ACHO SUPER DIGNO!

4. Eu ia ter muitas amigas!
E iria ouvi-las. E daria a minha opinião masculina em seus relacionamentos, em suas roupas, em seus cabelos e na performance sexual dos caras que elas pegam.
Ia ser tão mais fácil! Uma amiga ia perguntar minha opinião sobre o cara com trauma de infância (pais separados, coisa tão rara hoje em dia né gente...tsc, tsc, tsc) que ela está pegando a meses (mais de 4), mas que não resolveu namorar com ela até agora (mas dar umazinha tudo bem, sabecoméqueé) porque tem medo de relacionamentos (Rá, essa é tão velha).
Minha resposta de homem: O cara só quer te comer.
Outra ia falar sobre o cara mega ocupado (workaholic), que tem mil compromissos (nunca está em casa, nem atende o celular) e que por isso nunca retorna as ligações (galera, os homens sabem usar o telefone, acreditem, se ele estivesse com vontade ligaria).
Só quer te comer também querida.
E seriam tantas histórias, tem o cara que está sempre com um parente doente na família (atentem para o fato desse parente ser sempre do sexo feminino, eles pensam que rola uma compreensão maior se a enferma for avó, tia, mãe e por aí vai), tem o que viaja muito, o que só liga bêbado, o recém-separado, o casado que vai separar, o que recebe ligações da ex toda semana, mas nunca ligou de volta (faz-me rir)...
E a minha resposta seria a mesma: Esses caras só querem comer vocês!
Se vocês também só quiserem dar, então tá valendo a pegada. Agora se a intenção é outra procure um cara que more na mesma cidade que você, que não te ligue as 4 da manhã falando eslovaco de tão bêbado, que não tenha um sério problema genético na família que só ataca as pessoas do sexo feminino e que não te faz de segunda opção.

*Nota sobre este tópico: Quando você é mulher e fala pra uma amiga que o cara por quem ela está peidando arroz doce só quer meter mesmo, isso soa muito cruel sabe... Geralmente a gente responde coisas do tipo...hum... “Ele ainda não descobriu como você é legal/inteligente/bonita/divertida/gostosa/cheirosa”e por aí vai! Mas porra, se o cara não percebeu isso em 4 meses então ou ele tem um sério problema mental ou você não é nada disso pra ele, é só mais uma, e sim, isso é cruel e homens geralmente o são.

5. Eu não ficaria menstruado!
Nada a declarar sobre esse tópico, apenas uma dancinha da vitória e um grande foda-se para a Unilever e toda sua linha de absorventes femininos.

6. Eu seria um homem que dança!
Nada de ficar encostado nos pilares na balada olhando as piriguetes rebolando no salão. Eu seria um homem hétero que dança por prazer, sem medo de parecer baitola, esbanjando charme. Rá, eu ia ser muito irresistível.

7. Eu ia ficar milionário!
Sim, pois já tendo sido uma mulher (e peituda ainda por cima), que já passou por toda a sorte de revéses que se pode passar quando se tem apenas 24 anos, eu seria um ótimo consultor de relacionamentos. Escreveria livros, daria palestras e teria um talk show na GNT sem precisar pesar mais do que 140 kilos, ou ter uma banda de 6 carecas pra isso.

E o melhor, eu faria tudo isso combinando o cinto com o sapato, sem lavar o cabelo com sabonete ou coçar o saco em público.
Porra, se eu fosse homem me apaixonaria por mim mesmo!

*Nota: Definitivamente se eu fosse homem seria o Johnny Depp. E ai de quem falar que não!

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

O Prato de Ranho - Relacionamentos



Ando tendo um sério problema com limites. Os meus e os alheios.

Só pra ilustrar, na faculdade a gente tinha uma brincadeira muito educativa sobre a questão dos limites chamada “O prato de ranho”. Sim, imagine um prato de ranho, que tem a textura similar à da banana amassada com açúcar que o seu sobrinho come, porém mais verde e transparente. Agora imagine que você tem duas alternativas. Uma delas sempre é comer o prato de ranho. Esse era o joguete educativo.

A nossa imaginação ia longe... “Você prefere dar pro Seu Zé (o senhor de mais de 80 anos dono do buteco defronte à faculdade e que tinha a mesma cor da salsicha em conserva que ele ousava continuar comercializando) ou comer “O prato de ranho”?

Teve gente que preferiu encarar a uva passa do seu zé, contando com o seu não-funcionamento. Eu preferi O prato de ranho.

Ou ainda: “Você prefere correr pelada na faculdade ou comer O prato de ranho?”

Dessa vez eu corria pelada! Era só pegar um horário de pouco ibope na faculdade, tipo uma sexta-feria de manhã pós feriado. As mais recatadas mandaram O prato de ranho pro peito.

Enfim, sou a favor da institucionalização d`O prato de ranho – relacionamentos.
Funcionaria da seguinte maneira:

Sol: Big, você prefere que eu vá pra praia com as minhas amigas ou O prato de Ranho?
Big: (sem pestanejar) Que horas você volta de lá mesmo, delícia?

Deixo registrado aqui que o dia que ele comer O prato de ranho, eu caso!
Ps1: Se ele fosse pra praia, eu comia O prato de ranho!
Ps2: Esse post é meramente ilustrativo, é necessário deixar claro que eu não incentivo esse tipo de prática escatológica. Nenhuma das minhas amigas da faculdade jamais deu pro seu Zé, correu pelada pelo campus ou comeu um prato de ranho.




Não que eu saiba né.....

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Psicose Feminina




Gente cansei de mulher louca, é o seguinte:

Se você tem um ex namorado de longa data e dá piti até hoje por causa dele, aqui vai o meu recado:
Eu até acho que o cara é um féladaputa de marca maior, mas Querida, se você tomou a bica e continua na aba do escroto então é porque gosta de cara sacana. Todo mundo já passou por isso, acontece nas melhores famílias, esquece o puto e não vem com papinho pra cima de mim! Foda-se, acho isso uma piada, toma vergonha na cara, da um up grade no visual, se monta toda, vai pra balada beijar na boca e pára de torrar meu saco.

Se você fez, vai fazer, sonha em fazer, conhece quem fez plástica em qualquer lugar do corpo antes de completar 30 anos não comente comigo!
Acho isso uma vagabundagem. Acorda mais cedo, bota um tênis e vai correr. É de graça. E mais, não adianta fazer plástica no corpo inteiro e encher o cú de Mac Donalds todo dia!!! Alôooooou, faz uma plástica no cérebro que funciona melhor.

Se vc tem um marido e ele me chama pra festinha da filha de vcs eu OBVIAMENTE não estou tendo um caso com ele, pois o último lugar no qual ele levaria a amante é na festinha de 1 ano da própria filha (desculpem, eu tive que voltar no assunto).

Mulheres psicopatas de plantão, não me liguem, não conversem comigo, não queiram saber da minha vida, nem me dêem bom dia. Cansei de mulher louca Porra, em que mundo vocês vivem? Existe amizade entre homens e mulheres ok?

Por fim, se você não é a ex-namorada-louca do Big:
NÃO! Eu não estou pegando.


quinta-feira, 14 de agosto de 2008

171,69 - Sutiã 44 FM II - No ar dia 21 de agosto


Pessoal, é o seguinte:


Na próxima quinta feira, dia 21 de agosto, às 8h00, às 13h00 e às 16h00 vai ao ar o programa do Sutiã44 na Delas web radio! (pra quem não sabe como ouvir radio na internet fiz um tutorial suuuuper legal aqui - 171,69 FM Sutiã44).


Pois reitero a promessa de me afogar (no raso) nas ondas do rádio de tão bêbada pra comemorar!


O único problema é que vou estar no trabalho no horário do programa e a PORRA do meu lap top é bloqueado aqui... Fodeu, vou ter que fornicar com um Hacker pra ele quebrar essa pra mim... Alguém se habilita?

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

(?) 13 (!!!)


... a década de 80!

Quem já teve 13 anos sabe que quando você passa dos 12 pros 13 é como chegar nos anos 80. É a década perdida da sua própria vida! Suas roupas são horrorosas, você gasta dinheiro comprando CD´s que nunca mais vai querer ouvir (sim, quando eu tinha 13 anos não tinha essa de baixar música na internet, tinha que desembolsar a grana da mesada pra comprar as 7 melhores da Jovem Pan), tem cabelo pra caralho e é incapaz de fazer uma escova bem feita.
Pior, eu sofri de todos esses males e ainda: Usava aparelho, óculos, era apaixonada por um cara do terceiro colegial (que tinha namorada) e o mais grave... EU ERA UMA DAS ÚNICAS MENINAS QUE JÁ TINHA PEITOS, E USAVA, PORTANTO, O FAMIGERADO SUTIÃ (ta, na época ainda não era 44).
Tudo bem, foi traumático, e até hoje eu agradeço a todos os santos por ter sobrevivido “aos treze”, mas ultimamente tenho percebido que há muito mais daquela pré-adolescente tosca em mim do que eu gostaria...

Começou com uma reunião. Se você tem 13 anos e morre de vontade de virar adulta, vestir um terninho chick e sair dizendo “Oh, tenho que ir gente, estou atrasada pra uma reunião” com uma cara bem blasé, ta na hora de te jogar um balde de água fria amiga. Porque até hoje não consegui identificar a aplicação prática de nenhuma reunião de trabalho que eu fui (e eu corto o meu pau fora se alguma das pessoas que estava comigo na reunião consegue me provar que ela serviu pra chegar a qualquer conclusão). Todo mundo quer falar, ninguém diz nada que preste e no fim o trabalho sujo sobra pra você! Vai por mim, ler Capricho é bem mais produtivo que reunião com gerente de empresa.
Mas enfim, ossos do ofício, lá estava eu naquela chatice sem tamanho, entediada enquanto o meu coordenador, Fanho, apresentava a pauta... Pensei em fingir um mal súbito pra matar a reunião, mas ao invés disso achei um chiclete. A solução dos meus males! Mascar chiclete é terapêutico pra mim desde os 13, ainda mais se ele for de melancia (o melhor sabor artificial do mundo), porque em 97 o pipoqueiro da frente do Anglo fazia promoção (1 pipoca + 2 babaloo de melancia por R$1,00).
Pronto, mundo perfeito, eu na reunião mascando chiclete de melancia na frente dos diretores (olha aqui seus feios, chatos e bobos! Eu masco chiclete na cara do perigo uuaaaaháháhá – risada maligna), mas repentinamente ela apareceu, foi mais forte que eu, irresistível... Uma bola! Ia ser enorme se eu não tivesse percebido a merda que eu tava fazendo, abortei o meu bolão no meio, mas o chiclete estourou no nariz. Devido à minha prática de mais de 10 anos com chiclete de melancia não foi difícil contornar o ocorrido, mas era tarde demais, o Diretor do Departamento viu!

Meudeusdocéu putaqueopariu cacete!!! Eu continuo tendo 13 anos em algumas coisas. Chiclete de melancia é uma delas... Cantar Madonna na frente do espelho, com coreografias ensaiadas desde 96 e fazendo a escova de microfone... Dançar pra olhos mágicos, só pra tirar uma onda de quem vem abrir a porta, Dormir com um cachorro de pelúcia remendado... Ter uma brusca queda por homens difíceis e mais velhos... (tudo bem, agora com filhos, mas não vem ao caso)... E por incrível que pareça eu ainda sofro pelo tamanho do sutiã...
Eu confesso que ter 24 é bem mais legal, eu posso usar roupas parecidas com as da Madonna sem aparecer em matérias do Globo Repórter sobre prostituição infantil, eu danço comigo mesma dentro de elevadores também hoje em dia, pra constranger as pessoas quando a porta abrir e elas me verem coreografando entre 4 paredes, eu ainda durmo com o Bidu (meu cachorro de pelúcia remendado), mas numa cama de casal que eu comprei com o meu dinheirinho e quanto a queda por homens mais velhos, hoje eles também querem me pegar (o Big me acha mirim, mas no fundo eu sei que ele gosta!).


Enfim, pra você que tem 13, ou quase 13, calma, um dia isso passa, e vai ser mais rápido do que imagina (ou até do que você quer).

De repente você vai se ver no meio de um mundo tão louco que vai dar a maior saudade daquele tempo em que o que mais importava era saber de quem os meninos da classe gostavam, fazer aquele teste da revista pra ver com qual Spice Girl você se parece mais ou de ir na casa da sua melhor amiga fazer uma panelona de brigadeiro, falar mal de todo mundo enquanto comer e não engordar nenhuma grama por isso (prepare-se, o metabolismo vai mudar querida)!

E pra quem já passou dos 13, se olha bem no espelho, lembre-se das espinhas que teve um dia, das músicas escrotas que ouvia, das roupas da Pakalolo, das domingueiras tocando poperô, onde todo mundo pegava alguém, menos você! Se lembre de quanto tempo gostou daquele carinha da 7ª. Série B, que nem sabia seu nome, daquela carta de amor piegas que escreveu e pela qual até hoje você se arrepende...
... E pense que Deus escreve certo por linhas tortas, o cara provavelmente está horrível hoje em dia, porque ninguém é bonito aos 13, quem é bonito aos 13 é impegável após os 20! Por fim, pense: PUTA QUE O PARIU, AINDA BEM QUE EU NÃO TENHO MAIS 13 ANOS!

quarta-feira, 23 de julho de 2008

A Rainha do Meu Lar!!!!

... ou "Tem gente que vive chorando de barriga cheia!"


Nunca me importei em não saber cuidar de uma casa.
Nem com a minha bagunça.
Nem em comer sopa Vono toda noite.
Nem em ser uma Serial Killer de plantas (já matei 3 violetas, um lírio, uma samabaia e um pé de pimenta dedo-de-moça. E meus crimes tem até assinatura, todas morreram de sede e eu as assistia definhar lentamente, com um prazer sádico... Sabia que elas clamavam por água mas eu estava sempre com pressa pra sair ou pra chegar... tá, as vezes eu só fingia que estava com pressa hohohoho).

Todos esses graves defeitos foram superados pela mulher moderna, afinal de contas não é porque eu sou mulher que tenho que lavar um banheiro que é uma beleza, ou desenvolver receitas elaboradas nem muito menos ter tino pra jardinagem.

E o que muito me irrita hoje em dia são as pessoas (geralmente mulheres) que botam o maior cartaz do mundo porque engomam camisas e coisas do gênero. Ah... Vai tomá no cú, nem roupa na máquina eu consigo lavar decentemente (elas invariavelmente saem com muitas bolinhas multi coloridas que eu tiro com a gilette – sim eu sei que estraga a roupa e não, eu não me importo – ou com uma coloração meio tie die, num estilo bem neo hippie, mas que geralmente não cai bem nas minhas calças de terninho, fazer o que, se eu estou muito à frente do meu tempo no quesito moda do mundo empresarial).

Tudo isso a gente supera hoje em dia com uma maravilhosa invenção (feminina é lógico): a assistente para assuntos domésticos.

Eu precisava de uma, era fato!

Antes que eu matasse alguma outra planta, tomasse uma overdose de Vono ou que os fungos do azuleijo do banheiro criassem uma facção estilo PCC e se rebelassem contra mim e Baranga, a pobre alma que divide apartamento comigo e tem uma estranha atração por homens extremamente feios.

Mas a tarefa de encontrar uma profissional gabaritada para esta função não é nada simples, e faltava tempo para uma pesquisa de mercado aprofundada. Até que ocorreu o episódio de minha não escalação pra seleção oficial de um megalomaníaco trabalho escroto da empresa. Fiquei de fora, e o pior, nem reserva do esquema eu sou, digamos que eu sou gandula... Melhor, vendedora de amendoim amanhecido pra arquibancada vazia. Ou seja, sem absolutamente PORRA NENHUMA pra fazer.

Saí então à caça da minha assistente, com uma pequena lista de requisitos básicos:

1. Não pode ser crente, pois existe sexo antes do casamento no meu lar (Graças a Deus!!!!)
2. Não pode se assustar com pessoas feias, ou a Baranga nunca mais poderia namorar
3. Deve aceitar meu copo de café dentro do armário, minha pilha de sapatos, o banquinho que eu faço de criado mudo e meu pseudo-tapete extremamente brega, mas que foi presente da minha vó.
4. Precisa viver em paz com a quantidade inenarrável de jornais espalhados pela sala, pois Baranga é uma pessoa bem informada e afoita por notícias do mundo, e eu só leio a ilustrada mesmo... Do dia anterior (tenho uma tara por horóscopos vencidos, pra ver se o astrólogo acertou saca?)
5. Deve compreender meu ódio por plantas ornamentais, flores e afins e meu conseqüente amor secreto pelos fungos e suas colônias anárquicas.
6. Não pode ter preconceito com cigarro, isqueiros, cinzeiros e tudo mais relacionado ao fumo.
7. Tem que ter todas essas características sem dar opinião nas singelas vidas de Sol e Baranga.
8. Precisa ser Legal
9. Não quebrar coisas importantes (leia-se, os engradados de cerveja)
10.Fazer faxina com o rádio ligado na Clube FM, uma havaiana de cada cor, cabelo preso no estilo coque-espanador, cantando as letras de música estrangeira em português e rindo das nossas piadas (porque se não for assim eu e Baranga achamos que não fica limpo de verdade)

Lá fui eu, com minha lista singela de características profissionais, com a gana de encontrar alguém apto a enfrentar esse desafio do mundo capitalista: Dar conta do apartamento de duas solteiras em São Paulo.

Passaram-se dias, semanas, e nada... Finalmente eu me conformei de que não existia a profissional que eu procurava. Eu tava fodida, e Baranga, a contra gosto, já estava traçando a estratégia do nosso plano de contingência contra o Primeiro Comando dos Fungos do banheiro...

Quando então, em mais um dia de marasmo no trabalho, saí pra fumar meu cigarro, humilhada como tinha de ser, já que eu estou recolhida à insignificância de vendedora de amendoim amanhecido e encontrei! Ela, que eu tanto procurei!!! A rainha do meu lar! Lá no fumódromo estava Zilda, e foi amor a primeira vista!

Ela ri das minhas piadas ( e das da Baranga também, mas aí eu já acho que por educação porque eu sou beeeeem mais engraçada hahahaha), ainda fuma um cigarrinho comigo e fica toda hora repetindo “Eu não acredito que vc deixava o Mr. Big entrar aqui antes de vc me contratar...” pois é Zildinha, nem ele acredita.

Ps: Esse post é uma homenagem à todas as Assistentes para Assuntos Domésticos desse país, mas em especial à Zilda, que não perde a coragem e o bom humor nem diante de um histórico terrível de violência doméstica, física e psicológica. E eu aqui reclamando por ser vendedora de amendoim amanhecido na empresa... E ganhando pra isso! Tem gente que vive chorando de barriga cheia, né Zildinha?
Inclusive eu!

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Amores Malditos...

...e outras inspirações embriagadas

Coração na boca
vida boba
eu mandei tudo se foder
e me fodi toda!

Coração fodido
vida desgraçada
a língua dele em meu ouvido
uma frase embriagada

Coração bêbado
vida vadia
me revelando o segredo
de que finalmente chegara o dia
em que tudo o que eu dizia sem medo
acabava, mesmo quando eu não queria
virando uma PORRA de poesia

pra Paulo Leminski e Alice Ruiz
pra esse amor maldito
que hoje estranhamente vivo
mas nunca quis

domingo, 29 de junho de 2008

Sol e Carrie Bradshaw advertem: Festinhas infantis são altamente prejudiciais à saúde de mulheres solteiras!


Ensaiei mais ou menos um mês pra postar sobre esse assunto delicadíssimo. Pensei diversas vezes em omitir essa passagem obscura da minha vida dos fiéis leitores do meu blog. Mas criei coragem e lá vai:

Quando me mudei pra São Paulo a fim de me virar, com meu par de peitos maiores do que o normal e um ideal de liberdade e glamour estilo Sarah Jessica Parker em Sex and The City, eu imaginava que passaria por provações. E elas vieram! Dois assaltos, psicopatas e uma tentativa frustrada de fundar um movimento revolucionário contra a ditadura do rímel, chapinha e peep toes...

Mas a prova maior estava por vir, e se eu passasse dela estaria apta a me dizer "solteira-peituda-auto-suficiente-com-muito-orgulho".

Tratava-se do meu primeiro convite para uma festinha de criança. E acreditem meus queridos, inexiste ambiente mais hostil para uma mulher como eu do que um local como estes, infestado de mulheres de meia idade, casadas (ou separadas), com uma bunda três vezes maior do que quando tinham a minha idade e cujo assunto principal é a cor da meleca que sai do nariz (ou outros orifícios, URGH!) de seus rebentos.

E lá fui eu, pra festinha de um ano da filha de um colega de trabalho. Felizmente eu tinha uma ótima carona, com um motorista Escorpiano... Mas existe um detalhe, que nem sei se já cheguei a comentar, o escorpiano vem com o kit completo (leia-se 3 tatuagens, ex-mulher, ex-namorada descontrolada - que aliás poderia ser até tópico para um outro post- e UM FILHO DE SEIS ANOS).

Confesso que a pespectiva de passar 40 minutos em um carro com o Escorpiano e seu filho de seis anos não foi nada confortável. Levando em conta que nós nos perdemos, a viagem durou mais de uma hora e meia e o muleque ainda quis cagar no caminho, eu percebi que subestimei a capacidade aterrorizante do pimpolho.

Cheguei na festinha pálida, tremendo de vontade de fumar e tomar uma cerveja, e mal sabia eu que meu martírio estava só começando...

Após acomodados em uma mesinha da varanda do bufet, ao som de Lua de Cristal remixada, o pesadelo começou!

Fase 1: Mãe de alguém.

A primeira coisa que eu percebi naquele safári infantil foi que, se você é uma mulher adulta, provavelmente é mãe de alguém. Partindo dessa premissa nada lógica eu comecei a balada sendo tratada como a mãe pré-adolescente do filho do Escorpiano! CARALHO! Tudo bem que hoje é normal engravidar aos 18, mas eu não tenho peitos de quem amamentou uma criança de 6 anos! (pelo menos eu achava que não). Fácil assim a esposa de um outro colega perguntou pra mim, no meio da rodinha, quando nós íamos ter outro filho. Senti meu rosto ardendo e também a necessidade urgente de tomar outro wiskie.

Fase 2: Namorada de alguém

Desfeito o mal entendido, parti pra fase 2, na qual, se você não é mãe de alguém é provavelmente namorada de alguém. E fácil assim fui rebaixada do posto de amiga do pai da anivesariante para o de Digníssima Senhora Escorpiano. O constrangimento durou todo o resto da "balada", até filmei os dois, Escorpiano e seu rebento, se divertindo a valer no "brinquedão" (para as leigas que, como eu, nunca tinham freqüentado festinhas de criança, brinquedão é aquele espaço do bufet com pscinas de bolinha e escorregadores maneiros).

Fase 3: Amante de alguém

Voltei pra casa orgulhosa de mim mesma, crente que tinha passado por mais esta provação da vida de solteira e fazendo até competição de maior bola de chiclete com o filho do Escorpiano. Mas o mundo é cruel com as peitudas, eu bem sei disso, e eu não sairia ilesa dessa. Não mesmo!
Menos de uma semana depois recebo uma ligação da mãe da aniversariante, até então esposa do meu amigo, agradecendo por eu ter comparecido na festinha e dizendo que me mandaria as fotos (nas quais eu figuro claramente como Digníssima Senhora Escorpiano) por email!
Prontamente pensei comigo mesma :"Ainda existem pessoas educadas e finas neste mundo, que te ligam pra agradecer a presença na festinha dos filhos". Mas, rapidamente a conversa mudou de rumo, e em poucos minutos a LOUCA estava ensinuando que eu estava tendo um caso com o marido dela!
Pronto! Fase 3! Se eu, com meu 44, minha calça jeans, meu rabo de cavalo e minhas botas plataforma não era mãe de alguém, nem namorada de alguém, eu obviamente tinha que ser amante de alguém!

Eu simplesmente não sabia o que responder para a tal mulherzinha!

O Escorpiano entrou em minha defesa no embróglio e meu amigo está agora se seprando!

E assim foi minha prova final!
Meu currículo de solteira independente está compelto!
  • 2 assaltos
  • 1 psicopata
  • 1 tentativa de revolução
  • e 1 motivo de divórcio!

Espero que agora eu possa viver no estilo Carrie Bradshaw, com sapatos maneiros, muito cosmopolitan e meu Escorpiano - Mr. Big a tira-colo! Mas não seria Carrie e nem Sol se a gente não se fodesse pra cacete nessa vida! Se tudo desse certo eu não escreveria um blog, e ela não escreveria uma coluna no jornal!

sábado, 7 de junho de 2008

Baranga por um dia

Dia desses eu comecei a pensar em quanto tempo e dinheiro eu gastava pra ficar apresentável pra rotina estudo-trabalho-escorpiano-psicopatas-me-perseguindo e fiquei revoltada.
PORRA, gasto tempo pra caralho! (tá bom, eu fiz as contas, mas me recuso a publicar o reultado da equação)

Decidi que era o momento de mudanças, que o tempo que eu gastava tentando dar uma mãozinha pra mãe natureza eu poderia usar pra coisas mais úteis, como dormir mais por exemplo.

Fiz um teste.

Era sexta-feira, casual day¹. A mulherada caprichando no visual, pois é dia de emendar num happy hour² e quem sabe acabar se dando bem. Enfim, é chegado o momento de colocar em prática a fórmula milenar:

escova
+rímel
+pó
+blush
+jeans
+bota
+blusinha
+cachecol
+casaco
+óculosescuroestupidamentegrande
+cara bem blasé³.

Mas não, naquela sexta feira eu daria início a uma revolução!!!

ABAIXO AS HORAS INUTILMENTE GASTAS NA FRENTE DO ESPELHO!
VIVA A BELEZA NATURAL E AS SARDAS DO MEU NARIZ QUE EU ESCONDIA COM O PÓ! LIBERDADE AO CABELO RUIM!
PELA DIGNIDADE DAS CAMISETAS DA FACULDADE COM FRASES DE EFEITO!

MULHERES CANÇADAS DE ESFOLAR O CALCANHAR NO PEEP-TOE(4) E DE SÓ USAR AQUELE MOLETON CONFORTÁVEL EM CASA, UNÍ-VOS!

Meus olhos até se encheram de lágrimas ao entoar (mentalmente) tantas palvras de ordem. Certamente era o início de um movimento pela libertação feminina das amarras dos esteriótipos de beleza contemporâneos. Pobre de mim, mal sabia o que me aguardava...

Corajosamente saí de cabelo molhado (pra secar ao natual, leia-se, no vento do metrô), camiseta do Diretório Acadêmico da faculdade, calça Jeans larga e casaco de moleton.Minhas sardas até saltaram de emoção quando eu não as camuflei com pó.

E lá fui eu, na minha mais nova empreitada contra a ditadura da beleza, já pensando nos discursos vociferantes do novo movimento, fogueiras enormes feitas de chapinha(5) e pó compacto com FPS 15 vinham à minha mente...

Foi aí que eu percebi o quão desconfortável é sair de casa mal ajambrada(6). Eu me sentia praticamente invisível. Cheguei no trabalho com cabelinhos voadores saindo do topo da cabeça por causa da ventilação do metrô e tive que comprar um prendedor pra adentrar com um pouco mais de dignidade no elevador. Tentei pechinchar o preço do prendedor com o camelô que mal deu ouvidos aos meus apelos, tão baranga estava eu nessa ocasião.
Sentei na minha mesa, humilhada, e resolvi tomar um cafézinho pra espairecer.
No lugar do café encontrei um amigo que soltou a máxima: "Porra Sol, sexta-feira é casual day, e não ESCULACHAL DAY!"
Pois é meus caros, ele estava certo. Por mais que eu me irrite as vezes com o fato de ser mulher e suas particularidades femininas de beleza, se arrumar é legal, faz bem pro ego e pras pessoas que são obrigadas a olhar pra sua cara diariamente.
E mais, eu me senti mal dando uma de baranga. Se senitr feia não é legal, e querer se sentir bonita não é problema, é solução!
E nesse quesito meus amigos, nada que um tubinho preto, um scarpan e um rímel a prova d'água não resolvam!

VIVA A VONTADE FEMININA DE SE SENIR BONITA! (com moderação...)

Glossário:

1 - Casual Day: dia da semana que você não precisa ir trabalhar de terninho, e que a mulherada aproveita pra desfilar seu jeans descolado;
2 - Happy Hour: Literalmente, hora feliz, ou seja, a hora de encher a cara e falar mal do chefe;
3 - Cara bem blasé: Abreviação do Carão, sobre esse assunto ler o post: Fazer Carão com malandragem
4 - Peep Toe: Sapato femnino que deixa pelo menos um dos dedos do pé a mostra. E que machuca (muito) os calcanhares de mulheres de todo o mundo, já que este modelo (vide foto abaixo) é um clássico.




5 - Chapinha: Intrumento de tortura contemporâneo utilizado contra pessoas do sexo feminino.
6- Mal ajambrada: Feia pá caraio.

terça-feira, 27 de maio de 2008

171.69 FM - Sutiã44

O meu, o seu, o 44 do bojo nosso de cada dia agora também nas (web) ondas do rádio!!!



Fui indicada pelas meninas do Calcinhas no Box pra participar do Blog Tracks na DELAS Web Radio!
A proposta da rádio é legal pra cacete! Quem tiver com tempo e afim de ouvir um som firmeza, conhecer blogs legais e acessar colunas e novidades interessantes, vale a pena (e é de graça minha gente, coisa rara hoje em dia...)

Pra quem nunca ouviu rádio na internet é muito fácil. Só abrir o Windows Media Player (tá, da pra usar o Winamp e o itunes também, mas nem me perguntem como!), na opção arquivo, acessar uma URL e colar o endereço que aparece na página da DELAS web radio no espaço correspondente.

Tô dando cambalhotas aqui de felicidade! Depois de tanto azar na PORRA desse mês de maio (que demorou pra acabar) tava na hora de acontecer algo de bom, né não?

Bom, é isso, 44 agora nas ondas do rádiooooo, vou encher a cara antes de entrar no ar e me afogar no raso, com certeza...

Espero que os apreciadores do 44 de plantão me acompanhem no programa, e também na embriaguez!

segunda-feira, 19 de maio de 2008

O que têm em comum uma neanderthal fêmea, um anjo da guarda transviado, uma ducha lorenzetti, o homem beringela e Doug Funny? Resposta: Eu

Nessas semanas que antecederam a PORRA da prova da OAB eu percebi que sou praticamente uma lenda viva dos exemplos jurídicos. Em poucos dias eu fui exemplo de um roubo qualificado, vários atentados violentos ao pudor, dois constrangimentos ilegais (um cumulado com ameaça).

Tudo começou com a história do roubo qualificado. Depois de eu muito elogiar o filho da puta do meu anjo da guarda no post Ligeiramente Assaltada, ele resolve ir levar um presentinho para a sua digníssima progenitora lá na zona no domingo passado e me deixar a ver navios. Com um anjo da guarda passando o dia das mães na zona de baixo meretrício da casa do caralho, nem a rua da minha casa era segura. Dois meliantes colaram em mim (um do sexo masculino, e um exemplar de Homo neanderthalensis, provavelmente fêmea, mas com um membro superior da espessura da coxa de uma fêmea homo sapiens sapiens) e levaram minha bolsa, contendo os ítens já descritos no post anterior sobre meu pseudo assalto na pizzaria.

Comentário Doutrinário: Ressalta-se o fato de que em datas comemorativas como o dia das mães os presos tem direito a famosa "saidinha", direito este que também se estende à anjos da guarda cujas mamães vendem o corpichto para ganhar a vida. Portanto, no dia dos pais, se vc tiver um anjo da guarda filho da puta como o meu, alugue um filme e fique em casa caralho!

Sobre os repetidos atentados violentos ao pudor, trata-se do meu chuveiro. Faz 16 graus ao sol as 7 da matina em SP. E é neste horário que eu tomo meu banho pra ir pro trampo. Estou lá, naquele estado de êxtase, meu corpo todo envolvido por aquele sentimento, estou quase me entregando quando, repentinamente... SAI SAI SAI! O pilantra do chuveiro realiza um coito interrompido e desliga sozinho, mandando água gelada nas costas dessa humilde trabalhadora, deixando-a em situação vexatória e com vontade de dar uma bica na lorenzetti, se tivesse altura e flexibilidade suficientes.

Comentário Doutrinário: É preferível uma broxada com justificativa, do que um coito interrompido surpresa. (matéria pacificada pelo STF).

Já sobre os constrangimentos ilegais, a coisa beira a sociopatia (e, pasmem, é tudo verdade). Após o trauma do roubo qualificado, e de ter desistido de chutar a porra da ducha pinto curto do meu apartamento, resolvo sair na minha hora de almoço pra comprar uma pasta e uma escova de dentes, pois até isso a neanderthal me roubou. Quando volto pro trabalho, eis que recebo um e mail de um tarado que me viu na rua, me segui, pegou meu nome no crachá da empresa e começou a me mandar e mails, que eu simplesmente ignorei. Eis que o projeto de Jack Stripador me adiciona no orkut E A FOTO DE SEU PERFIL É ELE COM UMA SUNGA RIDÍCULA, PARECENDO O HOMEM BERINGELA. Certamente o idiota colocou um rexona dentro da sunga pra tirar a foto.

Comentário Doutrinário: A simples presença fálica do rexona constitui grave ameaça, artigo 147 do Código Penal " Ameaça: Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer meio simbólico, de causar-lhe mal ou injusto grave". Na minha opinião, o rexona disfarçado de pinto é um meio muito simbólico para me causar um mal ou injusto grave! Grave não, gravíssimo!!!

Contrangimento ilegal número 2: Voltei pra casa hoje, com fé de que as coisas iriam melhorar, pensando em perdoar meu anjo da guarda, afinal de contas ninguém escolhe a mãe que tem e eu também deveria ter ido visitar a minha ao invés de ficar nessa merda de cidade. Quando estava a alguns metros de casa me aparece uma versão adulta do Doug Funy, mas com um nariz um pouco mais escroto, e diz que quer saber meu nome. Fingi que não ouvi. Ele insistiu. Fingi de novo. Ele falou que podia ser o homem da minha vida. Pensei: Tenho 4 alternativas plausíveis.

1. Saio correndo e gritando fogo, porque gritou socorro aqui em SP fudeu.
2. Começo a responder na língua dos sinais pra ver se ele desiste.
3. Queimo a cara dele com o cigarro e ainda mando-lhe uma joelhada no saco.
4. Sento e choro.

Escolhi a alternativa 4.

Comentário doutrinário: Com esta atitude eu deixei o pseudo-Doug-Funny-maníaco tão ou mais assustado do que eu, possibilitando minha fuga sagaz.

Agora, chupa essa manga.
Vocês acham que sentindo na própria pele tantos exemplos de fatos jurídicos eu não passei na porra da prova! Sou zicada mas nem tanto!
Agora é só esperar a segunda fase. Mas de exemplos na vida real pra mim já é suficiente.

domingo, 4 de maio de 2008

Off line


Seguinte,

To fora do ar até 18 de maio (sim minha gente, a famigerada e obscura prova da OAB se realizará nesta data).

depois disso estarei de volta mandando todas as rodinhas com mais 3 advogados conversando tomar no cú!

Ps: notem como o logo da oab combina com o layout do 44! Urgh!

domingo, 13 de abril de 2008

E esperto é o pato!


Que nasceu com o dedo grudado pra não poder botar aliança.

Ninguém presta nesse mundo...


A putaria está definitivamente institucionalizada!


E eu acho é pouco! Quero mais é que pegue fogo e que água vire gasolina, porque, afinal de contas, esperto é o pato!

Ps: Esperto é ovo, que nasceu sem perna pra não poder levar rasteira! hahahahahahahahaha

sábado, 5 de abril de 2008

Ligeiramente Assaltada


E foi assim o meu primeiro assalto na Capital paulista:

Pizzaria Lotada na sexta a noite;
Fome, muita fome;
Ambiente familiar;
Dois elementos armados surgindo e meio à margueritas e portuguesas;
Minha bolsa estratégicamente localizada a meio metro de mim, na cadeira em frente, contendo:

  • todos os meus documentos,
  • celular,
  • cartões,
  • dinheiro,
  • mp4,
  • óculos escuros,
  • crachá da empresa,
  • chave de casa,
  • chave do armário da empresa,
  • desodorante,
  • remédio,
  • necessáire de maquiagem,
  • guarda-chuva,
  • agenda,
  • estojo
  • cigarro
  • Isqueiro (3) e
  • Absorvente
Sim minha gente, ou seja, minha bolsa minha vida!

O meliante caminhou até mim, olhou bem pra minha cara e pediu... O RELÓGIO! Sim, um relógio zoado, todo riscado, com o qual eu já caí em diversas baladas e tão riscado que eu já confundia o tamanho dos ponteiros.

E minha bolsa lá, reluzente e contendo toda a minha vida paulistana.

Foi assim meu primeiro assalto. O cara me fez o favor de levar o meu relógio escroto, deixou minha bolsa E O MEU SAPATO!

Que certamente valia metade de tudo que ele roubou das outras mesas!

Meu anjo da guarda deve estar tirando licensa prêmio depois do ocorrido!

E viva a Insegurança pública das pizzarias!

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Diálogos de Sábado a Noite



Sobre a Fragilidade da Vida:

"- Meu, me doa um óvulo?

- Até dôo, mais porquê você precisa de um óvulo doado?

- É que eu fico tantas vezes menstruada que quando eu tiver vontade de ter filho todos os meus óvulos já vão ter ido pro saco"

Sobre a Lógica da Modernidade

"- Puts, quando a pessoa é ex alcólatra ela não pode nem comer bombom de licor que já fode a vida, não pode botar nada de álcool na boca!

- Nossa, que grave...

- Por isso que eu não viro alcólatra. Que é pra poder continuar bebendo!"

Sobre a criminalidade

"- Foi o pedreiro, na falta do mordomo...

- Hahahahahahahahahahahahaha"

E é essa a filosofia da complexidade. Porque morar em São Paulo, com um trânsito de 144 Km em um dia de sol, e continuar achando graça das coisas simples da vida é deveras complexo!

terça-feira, 25 de março de 2008

80% Sabrina Sato




Tudo o que eu fiz na minha vida e deu certo (tá, as coisas que deram errado tbm começaram assim), foi resultado de uma meta imposta a mim, por mim mesma.
Vir pra São Paulo foi assim;
Pegar o escorpiano também! (minha dança da vitória: direita, direita; esquerda, esquerda; balança a cabeça; bracinho da macarena: rebola até o chão, ainda com as mãos na cabeça- eu não me canso de comemorar!)

E convenhamos, ficar sem nenhum desafiozinho na vida é muito chato.

Portanto, minha mais nova meta é simples e clara: Sabrina Sato!

Calma!

Eu não estou a fim de pegar a Sabrina Sato, ela nem faz o meu tipo. Sou muito mais La Jolie (suspiro apaixonado).

Ela é minha meta porque ninguém fica tão bem dentro de um biquini quanto ela.

Ok, eu sei que a meta é ousada. Ficar com um corpão 100% Sabrina Sato não há de ser tarefa fácil. Mas, levando em conta que eu sou cerca de 80% mais inteligente que ela (tô sendo beeeeeem modesta), só precisaria de 20% do corpitcho e já tava valendo. Mas, ela deve ser uns 120% mais bem paga do que eu (to sendo beeeeem otimista quanto ao meu humilde salário). O que me dá uma porcentagem de 80% de gostosura naipe Sabrina Sato à atingir...

Tá, se eu der conta de chegar até os 60% tô no lucro!

Pra implementar esta meta ousadíssima já entrei na academia. Todo dia as 6 da madruga lá estou eu, suando na esteira e olhando pra poluição paulistana no horizonte.
Também estou doando meus ovos de páscoa (sim, é brega, eu sou bem grandinha pra isso, mas minha vó me deu, fazer o quê?). Porque se a Sabrina Sato ganhou ovos de páscoa ela doou ou jogou fora! (ela pode ter comido e depois vomitado, mas eu prefiro não cogitar essa alternativa)

A única dúvida cruel que pintou foi: "E a minha cervejinha! O que fazer?"
Depois de muito refletir sobre essa questão polêmica, cheguei à seguinte conclusão:

A Sabrina Sato tem a maior cara de cachaceira, e se ela consegue ser gostosa mesmo enchendo a cara, por que não eu? E digo mais, nem a possibilidade de ficar 80% tão gostosa quanto a filha da puta que ilustra esta postagem me fará parar de tomar cerveja. E tenho dito!

PS: VAI TOMÁ NO CÚ! PROCURA UMA CELULITE NA BUNDA DESSA VACA!!!! OU UMA GORDURINHA NA BARRIGA! ELA TEM BARRIGA NEGATIVA, É UMA NÃO-BARRIGA PORRA! Mas ela vai ver só, chupa Sabrina Sato (tá, daqui uns 6 meses). E eu nem vou precisar tirar foto pelada ou ser tirada de burra toda semana em um programa de televisão (dancinha da vitória again!).

segunda-feira, 17 de março de 2008

Fazer Carão com Malandragem


Chove em São Paulo.
Na diagonal, como sempre.
O metrô continua cheio de pessoas feias ( e sobre esse assunto eu recomendo http://porenseafins.blogspot.com/2008/03/vida-no-coletivo.html )
Eu ainda insisto em andar de salto nas calçadas caóticas da Paulista, mesmo correndo o risco de ter uma luxação de tornozelos.

Mas...

Tenho boas notícias minha gente! Fiz progressos na minha epopéia com o tal escorpiano! Sim, e isso se deve a dois dos meus maiores dotes artísticos!

A Arte de Fazer Carão e a Arte da Malandragem!

Eu já conquistei muitas coisas na vida me utilizando estratégicamente desses dois atributos, e novamente eles me trouxeram retorno.

Pros leigos, aí vai:

A ARTE DE FAZER CARÃO

Pra fazer carão com arte é preciso ter um bom mantra, adequado à situação que pede o carão. Esse mantra deve ser necessariamente uma pérola da música popular brasileira, aquela melodia bem característica, que te faça montar automaticamente o carão desejado. Você pode (e deve!) ensaiar o carão em frente ao espelho. Mas nunca, jamais, em hipótese alguma, deve olhar fixamente para o objeto (ou objeta) alvo do carão (notem a foto que ilustra o post, la Jolie olha para o nada, nunca para o fotógrafo/a). Atenção ao bico (se você não tem um bocão, como a uper sexy Angelina Jolie, fazer um biquinho bem feito faz toda a diferença). Outro ponto crucial do carão é o andar. Sim, porque não adianta fazer carão e depois ficar parada no mesmo lugar. Locomova-se, porém no ritmo do mantra E com o carão intacto (ainda sem olhar para o alvo).

A ARTE DA MALANDRAGEM


Já a malandragem é um tanto quanto mais avançada. Requer um tempo maior de prática e treinamento. A primeira lição é que existem diferentes graus de malandragem. Tem a malandra pura, aquela que é malandra nos momentos em que a malandragem é necessária. Tem a malandranga, que se utiliza de artifícios para aprimorar a própria malandragem. E a malandrola, que acaba sendo malandra mesmo sem querer, acaba agindo por instinto. Malandragem, meus queridos, não se ensina! Eu, por exemplo, comecei a exercitar a minha arte da malandragem logo na infância, mentindo pra desconhecidos. E esse até hoje é um hobby! Cada um tem de desenvolver seu próprio treinamento, adequado à sua personalidade. Eu até me habilito a dar consultoria aos interessados.

Apresentadas as estratégias, vamos ao:

Fato

Comecei com o carão, entoando o seguinte mantra: "... eu sei que eu sou, bonita e gostosa, e sei que você, me olha e me quer..." (galera, esse é tiro e queda , juro!) E pimba! Fui convidada pra sair.
No referido local, a malandrola dentro de mim falou mais alto e eu, sem querer, esqueci meu celular no carro, estratégicamente, alheio.

E foi assim que hoje, nessa segunda feira chuvosa, meu despertador foi a ligação com a voz masculina mais sexy da capital paulista!

Rá!

E digo mais, sem querer o carão atingiu outra vítima e eu ainda ganhei um papelzinho com um telefone no saguão do trampo (tudo bem que o cara era fanho, mas fez bem pro ego!)

Bocão, viu comé que se faz??? A boca a lá Jolie seus pais fizeram o favor de te dar. Malandranga eu sei que você já é, agora tem que ficar expert no carão! E eu te empresto meu mantra, se bem que o seu podia ser
"Pára, pa pára para para, pã pã pã pã
Sabe esses dias..."
huahauhauhauhauhahu

Goiabada da minha vida, mudei sua nova classificação de malandragem, mas ela continua a mesma na essência!

Cúia, queridona, obrigada pelo mantra que carrego comigo desde os tempos de faculdade (como se fizesse tanto tempo assim...)

Gente, vamos pras cabeças! Vibrações positivas pra mim (e eu aceito sugestões de novos mantras pros carões queestão por vir!)


domingo, 16 de março de 2008

A minha Censura Particular


Galera, eu me auto-censurei!

Eu sei, foi péssimo, nem um pouco a minha cara, mas...
Sabe comé que é, mesmo morando num país gigantesco e "in the bigest city of south america" a internet fala mais sobre a vida alheia do que sonha nossa vã filosofia. E o pior, qualquer Zé da Couve pode ler este digníssimo veículo de comunicação no qual se transformou o Sutiã 44.
Portanto, por motivos de segurança, resolvi eliminar alguns posts que poderiam me comprometer (pessoal e profissionalmente, se é que vocês me entendem).
Quem leu leu, e quem não leu vai ficar meio perdido no assunto!

Só digo uma coisa: continua na mesma minha gente!

Mas eu não desisto nunca! (e gosto de homem difícil, principalmente se ele for de escorpião)

E é o seguinte, só escrevo de novo nessa PORRA quando a coisa andar!
huahuahahahu
promessa promessíssima!

Meninas da facul, suas biscates, estou com saudades!

Naná querida, além de ter me auto-censurado no blog e ter te emprestado o meu 44 (lado B hauauhah) eu ainda operei algumas modificaçõezinhas físicas aqui no ap! Espero que vc goste! Se a gente não se acostumar tudo volta ao seu lugar.

Ps: eu sei que aqui não é Orkut, mas sabe como é, recadinhos pelo blog costumam ter mais impacto.

sábado, 2 de fevereiro de 2008

Cara nova

Ano novo, cidade nova, lay out novo pro blog!

E o sutiã da Mulher Maravilha é 44! Igual o meu, eu só não tenho essa cinturinha, mas aí já é outra história!

Como eu nunca postei músicas aqui, lá vai a primeira dica do Sutiã 44... Ana Cañas* (fuderosa), cantando "Super Mulher" do Jorge Mautner! Tesão, além de ter tudo a ver com o novo cabeçalho do blog!

Super Mulher

Ela fala, ela canta, ela grita
Ela zanza
Ela tem aquela transa que eu não digo
Com quem é

Ela tem um rebolado
Tem o corpo tatuado
De uma figa da Guiné

Ela tem uma coleção
De animais bem perigosos
De animais muito orgulhosos
Lá da Arca de Noé

Ela tem uma Pantera
Que arrasta na coleira
Ela gosta dessa fera
Pois é grande feiticeira
E seduz os corações

Vem de capa voadora
Domadora de leões
Super Mulher

* Vale a pena ouvir, cola aí no my space dela: http://www.myspace.com/anacanas

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

"Clorofórmios" fecais e Mr. Magoo.


Ok, eu sei que sumi, fiquei de férias do blog mas foi por um motivo contundente. Estou de mudança! Me formei e não sou mais uma estudante vagabundeante de uma das Universidades Públicas de SP. Agora eu tenho um emprego (iupí!) e to me instalando na Capital Paulista (seguuuura!)
Sim, o Sutiã 44 não mais é editado em um computador à manivela, diretamente de uma república que reunia toda a sorte de malucas no interior paulista. Estou na Capital, mais precisamente no apartamento mais gelado de São Paulo, morando com a maior Exterminadora de Baratas Voadoras da história contemporânea (Fonte: Le monde), digitando num lap-top que me faz parecer o T-Rex do Jurassic Park (não me acostumo nem a pau com esse teclado minimalista!) e a responsabilidade só faz aumentar...
Porque se já era foda carregar um 44 na roça, imagine numa metrópole!!!


Só pra variar, o clima de São Paulo novamente conspirou contra mim.... Chovia na Horizontal (outra vez) e eu tinha que fazer um exame médico admissional (?????) na Puta que o Pariu.
Guarda-chuva de R$5,00 em punho, um sem número de poças d´água puladas, adentrei no metrô, já descabelada, bolsa e terninho molhados... Era só o começo.
Caipira que sou, saí muito mais cedo do que o necessário. Fiquei com medo do trânsito (no metrô!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!) em vista da tempestade que caía.
Conclusão: tive que esperar sentada em um café em frente ao prédio, onde eu só podia ler revistas CARAS de um ano atrás e onde EU NÃO PODIA FUMAR!

Uma hora depois meu humor estava diretamente proporcional ao clima.... Mas tudo mudou quando vi o médico que faria meu exame.
Imagine o Mr. Magooo. Agora mais engraçado e vestido de jaleco. Pronto, esse era o figura.
No meio do exame ele teve uma crise de riso (talvez porque eu tenha perguntado sobre possíveis "clorofórmios fecais" que talvez fossem encontrados no meu sangue após um Baile de pré-carnaval), misturado com uma tosse que certamente foi ouvida pelo andar inteiro do prédio. Eu me pus em prontidão, crente que teria de utilizar meus conhecimentos de primeiros-socorros pra acudir o Dr. Magoo malucão... mas súbitamente comecei a rir junto e nós demoramos uns 5 minutos pra voltar ao normal (quando isso aconteceu estávamos os dois roxos, sem ar e com o humor muito melhor do que a 10 minutoas atrás).

Depois de conhecer o médico hilário da empresa eu entendi porque eles me contrataram.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

2008

Porra!

O ano realmente começou...
Fui a uma festa de reveilón estranha com gente esquisita (salvei minha amiga nesta balada... depois de anos tendo que ser salva! pelo menos isso foi diferente);
Fiz uma série de promessas que eu só vou cumprir por no máximo uma semana (numa perspectiva deveras otimista);
Comecei a procurar emprego;
E a Globo já está passando as vinhetas de carnaval...

É o fim da picada! E eu que achava que em 2008 eu já ia poder me teletransportar! (Tá, na verdade, uns 15 anos atrás eu achava que em 2008 eu estaria casada, teria um emprego ótimo, filhos de comercial de fralda e moraria numa réplica do chalé da barbie... Mas eu tinha só 8 anos, e acreditava realmente que ia poder me teletransportar do trampo pro chalé).

Espero que em 2008 eu não tenha tantas histórias catastróficas pra contar... Assim faço um blog de notícias, ou dicas sobre alguma coisa bem inútil.