sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Me diz qual eh o pente que te penteia!


Dentre tantos assuntos sérios e relevantes que eu já discuti aqui no blog, tais como Gravidez, Parto, Escolinha x Babá, Pós Parto, Ser madrasta, etc.
Um assunto deveras polêmico e SERÍSSIMO na vida de uma mãe ficou de fora!
Portanto hoje vamos corrigir essa grave falha deste humilde veículo maternístico de comunicação e vamos falar dele, o polêmico, o inexorável, o famigerado O CABELO DE MÃE!
Toda mãe sabe que o cabelo não passa ileso por essa nova fase da nossa vida.
Na gravidez a gente vira praticamente o Toni Ramos, com pelos nascendo donde nunca nós imaginamos possível! Eu tenho a minha humilde teoria (humilde e sem nenhum embasamento científico,ok senhoras?) de que a culpa é toda do ácido Fólico! A gente começa a tomar esse tal de ácido fólico e a cagada tá feita. Mas essa exuberância de pêlos e afins tem um lado bom, olha lá, nosso cabelo fica todo trabalhado no brilho, bem a lá Cléo Pires!
Mas um dia o bebê nasce, você começa a amamentar e a sábia mãe natureza envia todos os nutrientes ingeridos para o leite, e não para o seu cabelo. Que cai. Muito. Em enormes e assustadoras quantidades. No entanto, como eu já bem disse, a Mãe Natureza, que é mãe, não é madrasta (me deixa, que se tem alguém que pode fazer piada de madrasta, esse alguém sou eu!) bem sabe que você vai mesmo ficar sem pentear os cabelos pelos próximos 6 meses, e no fim das contas, aqueles que sobrarem vão estar invariavelmente presos, sob pena de suas madeixas se transformarem em trapézio de bebê.
Pois bem, resumindo a história, depois da gravidez e da licença maternidade o seu cabelo fica uma merda e muitas recorrem à sempre boa e velha tesoura, afinal de contas um cabelo curto e estiloso, fácil de secar e arrumar é muito mais prático na vida de uma pessoa que trabalha 8 horas por dia E tem um bebê em casa E tem que fazer janta todo dia E tem que limpar o xixi do cachorro de trás da cortina... (continua ad infinito)
Vamos analisar essa história de “Virei mãe, cortei o cabelo” Através das didáticas, mães – celebridade!


Agora, existe uma vertente de mães que não tá nem um pouco a fim de cortar o cabelo! Vamos aos exemplos celebres.



Eu sei por que o Theo já fez isso comigo inúmeras vezes. Eu vivia de coque. Meu cabelo passou de protagonista à coadjuvante na história da minha vida.
Finalmente, após analisarmos todas essas celebs e seus cabelos pós-filhos, vamos analisar a minha pessoa...
Na imagem 1, podemos visualizar a minha pessoa toda trabalhada na magreza e no brinco hiponga na época da faculdade! Ah que tempo bom, no qual meus cabelos poderiam ficar soltos ao vento sem correr o risco de levar uma vomitada súbita!
Na imagem 2, podemos ver a minha barriga vasta cabeleira a lá Elba, presa num rabo de cavalo, que eu já tava toda sem agilidade pra cuidar de cabelo com uma barriga desse tamanho né pessoal?
Nas imagens 3 e 4, os cabelitchos sempre presos na presença dos filhos!
Agora me fala minha gente, como lidar com os cabelo comprido de minha cabeça sem ter o tempo, a dedicação e o Kerastáse necessários para não andar por aí parecendo a advogada do Lindemberg?
Então pensei cá comigo, adentrarei ao time das mães de tesoura (ai, que piada horrível! Não resisti...)! Vou cortar tudo, radicalizar, vou ser Nina de Avenida Brasil, vou andar por ai com um corte de cabelo Mia Farrow em “A mão que balança o berço”! Daí que eu me dirigi toda certa que os meus dias de cabelão haviam chegado ao fim, olhei bem pra cara do Robson, meu cabeleireiro e ARREGUEI! Pois é, não dá coragem! Eu tenho cabelão desde a adolescência e é tão difícil desapegar!
Além disso, o Theo acha que eu trabalho de princesa (sim minha gente, tipo uma versão do “Profissão Repósrter” só que “Profissão Princesa” saca? Tudo isso porque eu enho cabelo grande igual o da Jasmine do Aladin). E o meu marido é radicalmente contra cortar!
Porém, contudo, entretanto, todavia, eu venho humildemente pedir a opinião de pessoas que, como eu, sabem o impacto que o cabelão tem na nossa vida. O fato é que eu quero mudar que eu cansei dessa minha cara sempre igual. Então tenho duas opções:
1 – Corto e radicalizo no curtinho “Sou mãe moderna que não preciso de escova na minha casa”, ou:
2 – Mudo a cor e dou cara nova ao meu já batido e reprisado cabelão, compridão, castanhão.
Pronto, agora é com vocês, decidam ainda por esta semana que o Robson tá ansioso pra saber se pega as tesoura ou as tinta tudo! Hahahahah



14 comentários:

Priscila MR disse...

Corta médio.
não muito... mas nem tão pouco... Inova no corte. para que não exija a chapinha e bla bla bla

Boa sorte

Francine Barrionuevo disse...

Concordo com o corte médio. E para ajudar da uma clareada com umas mechas mais claras num tom meio mel para dar uma iluminada. bjos e aguardo fotos com a cabeleira nova

Mari Mari disse...

Eu passei tesoura no cabelo depois de cada um dos meus filhos. Sabe o que aconteceu? eu tenho de cortar o cabelo todo mes pra nao ficar descabelada, e quem tem tempo de ir pro salao todo mes tendo 3 pra cuidar? Da ultima vez, mandei cortar num corte pra deixar crescer. Sim, porque quando estiver comprido, posso deixar meeeeeses sem cortar e ninguem vai perceber. Vai viver preso, mas pelo menos vao estar mais alinhados...

Tatei e Nana disse...

Concordo com as que sugeriram o corte médio. Foi o que eu fiz e amei. Dá bem menos trabalho que o cabelão, fica estiloso e prático como o curtinho...
Bjs

Karen disse...

Eu acabei de cortar o meu. No sábado. A reacao dos amigos foi ótima, todos elogiaram. Meu marido disse que ainda precisa se acostumar com o meu novo visual. Minha filha disse que vai bater na cabeleireira por ter estragado o cabelao da mamae, rsrsrsrsrs.
Quanto a mim:
Ainda nao lavei, nao sei o trabalho que vai dar, mas gostei de ter mudado. Pro cabelo viver preso (que é o que eu sempre fazia com o meu) nao preciso de cabelo comprido. E cabelo cresce, né?

Fá, Mãe da Ana Luiza e do Gustavo! disse...

Cabelo é um assunto delicado pra mim. Eu sempre tive um "cabelo bandido". Ou seja, ou tá preso ou tá armado.
Tive que tacar a tesoura, mas fiz um corte médio, mas ainda assim eu deixo perucas e mais perucas no banheiro. Um terror! Por sorte, eu tenho cabelo pra confeccionar perucas pra umas 300 pessoas. Mas quando aqueles que caíram começa a crescer, puts, parece que eu tomei um choque e não há creme, pomad, gel ou amarras que coloquem aqueles cabelinhos ingratos no lugar.
O meu voto vai pro corte médio, nada de radicalizar! kkkkkkkk
Beijokas

Myriam Scotti disse...

Corte médio E super coloração para mudar o visual!!! Acho válido!!

Letras Saltitando disse...

HAHAHAHHAAH! Morri de rir. Não tive filhos, ainda... Mas enfim... bem que a mãe natureza poderia dar um desconto né! Não corta muito curto, deixa ele estilo Flavia Alessandra então! Bjos

Anna disse...

Bom, sou nova por aqui e já vou chegar dando pitaco (foi você que pediu).

Eu acredito que toda mulher merece (sim, merece!) passar pela experiência do cabelo curto. É bom demais, você vai adorar.

Também sempre tive cabelão e, lá pelos 20 anos cortei curto, acima dos ombros. Amei tanto, mas tanto,que tô agora com 34 e é a primeira vez que tenho os cabelos cinco dedos abaixo dos ombros.

É bom demais!

Repica, René!!

beijos

Ste disse...

Sol lindona!!!!
Sempre me lembro dos seus longos e lindos cabelos da facul!
Mas acho que vai ficar lindo um cabelo curto tb! Mas não Nina!!!! Rs...um tipo no ombro!

Mudar às vezes é bom!
E cresce de novo...rs.

beijos

Renata disse...

Eu passei a gravidez inteira com um cabelão enorme, me achando... Aí quando a Cecília nasceu, eu cortei, deixei meu cabelo no começo do pescoço. Mas, ele cresceu e tem mais ou menos 1 ano e meio que ele tah enorme, cortei tem um mês mas não deu diferença nenhuma. Eu não pinto pq sei qe não vou ter tempo pra ficar indo no salão pra retocar raiz, pra retocar mechas... hsuahushaus... Então eu uso meu castanhão e ele enorme. Em casa eu sempre amarro, mas na rua eu gosto dele livre, leve e solto. Dá uma repicada, deixa ele em um tamanho médio, mas não acho legal pintar.

Débora disse...

Olá!
Cheguei aqui pelo vídeo do MINHA MÂE QUE DISSE.
Eu cortei os cabelos curtos, pq se é pra ter cabelão e viver preso, que diferença faz? Sem contar que vc tem um rosto bonito e vai ficar ótima de cabelo curto. Não precisa ser como a Nina, tem tantos curtos legais, que vc acorda lava e seca e pronto, tá diva, e se quiser, amassa, ou faz chapinha pra ficar diferente em outras ocasiões. Ah, e os maridos que querem opinar, tem que deixar cabelão tb pra ver como é ahahahaha.
Beijo, boas festas e aguardamos foto do novo look.

Bell Bastos disse...

Cabelo muito curtinho (tipo o da Nina) é infinitamente mais difícil de cuidar que cabelo comprido, porque você não pode deixá-lo secar naturalmente e tem que ficar sempre modelando senão vira uma catástrofe!

Concordo com os outros comentários e acho que o melhor é um cabelo na altura dos ombros, que você pode prender se precisar e ainda fica bonito sem muitos cuidados.

E aconselho ainda a deixá-lo meio repicado, que aí ele sempre estará naturalmente bonito (e não precisa ir ao cabeleireiro todo mês).

Beijos!

Gisa Hangai disse...

Eu adoro cabelo, apesar de todo o trabalho que dá. Também acho que cabelo curto também exige cuidados. Pra conciliar o meu gosto com a falta de tempo e kerastase, recorro ao rabo de cavalo e as tranças desalinhadas. Adoro! Já dominava a arte da escovinha, mas com a chegada dos filhos virei uma cabelereira expert em tratamento capilar. Transformo o banho num SPA. Adorei seus textos. Adorei o Blog. Beijos, Gisa Hangai Blog Mãe bacana